Home / #CULTURA / Quais principais erros cometidos em roteiro? – by RAFAEL LEAL

Quais principais erros cometidos em roteiro? – by RAFAEL LEAL

É um consenso entre leitores de roteiros do mundo inteiro que a fração de obras que se recomendam à produção varia de 1% a 3%. Em outras palavras, isso equivale a dizer que 97 em cada 100 roteiros escritos jamais serão transformados em filmes – no contexto da indústria cinematográfica.

Outro dia me deparei com um infográfico que fazia uma análise de um corpus de 300 roteiros recebidos por uma agência de talentos em Los Angeles – dos quais apenas 8 foram recomendados à produção – e da qual é possível extrair algumas conclusões interessantes.

As mais interessantes para mim são onde mais erram os roteiristas. Quando eu falo “erram” não quero dizer que existe um jeito certo e um jeito errado de contar uma história. Entretanto, existe uma maneira que se tornou hegemônica no contexto da indústria cultural – a que chamamos Narrativa Representativa Industrial (a expressão é de Jacques Aumont) – e que, embora comporte inovações, é pouco propícia a aceitar alterações radicais em seu formato e proposta.

Segundo esse estudo, o erro mais comum foi a demora para introduzir a história. Isso está ligado a uma questão central com a qual o roteirista frequentemente se depara: sobre o que é o meu filme? Não ter com clareza a resposta para essa pergunta é o fator de risco número um para tardar a entrar na história.

O segundo erro mais comum encontrado nos roteiros foi a falta de conflito consistente nas cenas – outra coisa que não me canso de repetir em minhas aulas. Se não há desejo do personagem e oposição a ele, não há conflito. E se não há conflito, não há história. Ainda assim, a quantidade de cenas que eu vejo por aí sem qualquer conflito – cenas planas e meramente expositivas… Além

O terceiro erro é, em si, uma lição para roteiristas: roteiros realizados exatamente de acordo com os manuais, extremamente técnicos, embora frios e desprovidos de significação. Os manuais de roteiro operam principalmente na esfera da Morfologia e da Sintaxe, ou seja, da natureza dos elementos estruturantes (como personagens, por exemplo) e da relação entre eles. No entanto, essas esferas são meramente teóricas e seu domínio não basta para a produção de um roteiro de qualidade.

Regras como balanço emocional, viradas a cada dez páginas, lista de funções dramáticas, Pirâmide de Freytag, etc., só servem de alguma coisa quando a serviço de uma história potente. E enquadrar a história em uma estrutura pré-definida não é garantia de funcionamento orgânico da narrativa.

Que tal aprender com os erros dos outros?

rafa


RAFAEL LEAL

rafaell

Roteirista, professor de Roteiro Cinematográfico na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUCRJ. Formado em Cinema pela Universidade Federal Fluminense – UFF, mestre em Artes da Cena  Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Desenvolve conteúdo para televisão e cinema, como as séries “Paixão Futebol Clube” (Raccord Filmes), vencedora do Edital de Desenvolvimento de Projetos de TV 2012 da RioFilme; “Comando Cruzeiro do Sul” e “Perdidos”, selecionada pelo Programa Globosat de Desenvolvimento de Roteiristas.

Escreveu os longa-metragens “Rio dos Mortos” (comédia), “Doce Irmã” (documentário) e “O Carrasco” (drama). Como roteirista da Giros Interativa, criou as séries “As Pandoras” (infanto-juvenil), “Lava Jato” (comédia), “Vida Real” (comédia), além de ter adaptado para a televisão os romances “O Senhor do Lado Esquerdo”, de Alberto Mussa, e “Ladrão de Cadáveres”, de Patricia Melo (adaptado como “Corumbá”). Corumbá e Vida Real integram a Carteira de Projetos vencedora do Edital PRODAV 3 – Núcleos Criativos 2013/2014. Recentemente, escreveu as séries “Canta pra Subir” (Migdal – GNT), “Sistema Solar” (República Pureza – GNT) e “As Canalhas – 3a Temporada” (Migdal – GNT), além de ter criado a série “Jungle Pilots” (Giros – Tambellini Filmes – NBC-Universal).
Presta consultoria para o Núcleo Criativo da Miração Filmes, entre outras produtoras.

BLOG: http://www.rafaelleal.com/

 

     
É um consenso entre leitores de roteiros do mundo inteiro que a fração de obras que se recomendam à produção varia de 1% a 3%. Em outras palavras, isso equivale a dizer que 97 em cada 100 roteiros escritos jamais serão transformados em filmes - no contexto da indústria…

Curtiu?

User Rating: Be the first one !

Comenta aí... :)

comentários

CLIQUE AQUI PARA IR A FAN PAGE DA REDE SINA

Check Also

Reveja: ANJOS DO SOL

Inspirado livremente em diversos artigos publicados na imprensa, Anjos do Sol fala sobre o mundo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *